PORTUGUÊS

A eclosão da noção de orientalismo e a necessidade de ultrapassar o processo que Edward Said intentou contra o orientalismo ocidental como momento da expansão colonial (Said, Orientalism, 1978) é uma das consequências de uma situação de “relação” (no sentido que Edouard Glissant dá ao termo) implicando o conjunto das culturas em contacto, qualquer que seja a forma de bom ou mau encontro na origem desses contactos, trocas, interpenetrações. Observar a multiplicidade que daí resulta, para além do poder de dissolução que essa eclosão infere, é uma das tarefas mais urgentes de hoje. Pensar as suas figuras e implicações torna-se um desafio maior da análise das diferenças, das opacidades e das barreiras culturais e exige uma observação paciente das manifestações múltiplas do que Glissant designa através do termo “poética da relação”.

 

O objectivo deste projecto é explorar os « Orientes » múltiplos, as relações Oriente/Ocidente até ao presente bastante negligenciados nos estudos culturais e orientalistas clássicos: Orientes vistos e construídos fora da Europa; imaginários diagonais de Orientes desenvolvidos fora de uma relação histórica colonial de dominação; alteridades percebidas a partir de outros continentes que não a Europa; devires individuais e colectivos escapando a qualquer oposição essencialista; manutenção, reforço ou constituição de pólos culturais fortes em países e conjuntos culturais que as opiniões maioritárias no Ocidente percebem como orientais mas que os próprios se percebem como muitos lugares de recomposição da relação Oriente/Ocidente e reflectem sobre as suas próprias modernidades, não-ocidentais.

 

Esses olhares convidam a que se apreenda não um Oriente, imagem invertida e fantasmada de um Ocidente estendendo o seu império tecno-científico à totalidade das culturas, mas uma noção plural de Orientes que, porque des-orientados, são então muitas relações para se repensar e analisar. O objectivo do projecto de investigação Les Orients désorientés é tanto o de se debruçar sobre modalidades de relação (Europa/China; Argentina/Japão; Japão/mundo árabe; Austrália/culturas da Índia; Grécia antiga/Índia etc.) esquecidas em França, na Europa e além, quanto o de suscitar um olhar inovador que leve em conta os estudos pós-coloniais, mas que saiba fugir aos seus impasses ou generalizações. Neste recente movimento crítico apareceu em pouco tempo uma série de trabalhos inovadores que tentam explorar e alargar esses olhares diagonais. Alguns desses trabalhos encontram uma certa inspiração no caminho aberto por Edward Said com a sua célebre obra Orientalism. Mas essas investigações constatam ao mesmo tempo limites importantes da obra de Said: um Oriente unilateral, aquele construído pelos ingleses e pelos franceses sobre o mundo arabo-musulmano apenas. Said não leva aí em conta uma ideia mais ampla desse mesmo Oriente e ignora as importantes nuances de olhares culturais desenvolvidos a partir de outras nações europeias, das Américas etc..

 

Said soube, porém, corrigir e revisar essa perspectiva, e o novo humanismo a que ele apela no final da sua vida vai de encontro à perspectiva do presente programa de investigação. Até o momento, o Ocidente sabe ainda pouca coisa – para além dos estereótipos fixos, espécies de “retornos de imagem” – dos olhares que as culturas do Oriente têm sobre ele e a sua percepção de um mundo mundialmente ocidentalizado. Esses novos olhares em diagonal fundam a esperança de uma possível renovação do diálogo cultural entre os Orientes e os Ocidentes. A reflexão sobre a realidade transcultural de um pensamento aberto a esse humanismo por construir não nos remete ao ponto de partida de uma Weltliteratur pensada como horizonte de um mundo desperto pelo projecto dianteiro do Ocidente, mas ao actual estado de um mundo a uma só vez rizomático e mestiçado (que, sem Orientes, apenas seria a rede mundial de uma Megalópole e sem mestiçagem “orientada”) e a face vazia e desumana de um violento “nomadismo em flecha” (Glissant) por essência assimilador.

 

O projecto é baseado na colaboração de investigadores provenientes de diversos centros de investigação presentes no seio da MSH de Clermont-Ferrand (CELIS – Literatura Comparada e Sócio-Poética –; IHRIM (Institut d’Histoire des Représentations et des Idées dans les Modernités); EHIC (grupo “Citoyennetés, empires, identités, politiques” para a parte clermontesa do centro, abordagens geocríticas para a parte de Limoges) et PHIER (filosofia e racionalidade), bem como investigadores exteriores provenientes de diversos horizontes culturais e trabalhando em França, na Europa ou outros continentes a partir de abordagens diferentes e em domínios disciplinares muito diversos. O trabalho engajado no seio de uma rede de investigadores iniciado em 2011 já permitiu activar essas questões criando as condições de um diálogo de métodos e de perspectivas para o qual o caderno de pesquisa previsto será ao mesmo tempo um suporte, uma vitrina e um dispositivo estructurante.

 

Este projecto originou-se no CELIS através do programa de investigação “Alteridades, encontro, mestiçagens” (cf. celis.univ-bpclermont.fr/spip.php?page=imprimir_articulo&id_article=826) iniciado em 2009 sob a coordenação de J.P. Dubost e co-coordenado a seguir por Axel Gasquet, agora membro do IHRIM e que nos trouxe a sua experiência sobre os orientalismos hispano-americanos. A contribuição do PHIER (de que J.P. Dubost faz agora parte) situava-se até agora no horizonte de um comparatismo Oriente-Ocidente (programa “O Oriente no PHIER”), que se trata, antes de mais, de um confronto entre a tradição grega da filosofia, na sua pretensão ao universal, e o pensamento oriental e extremo-oriental, principalmente taoísta e búdico (Índia, China, Japão). Não se trata apenas de estudar a representação, ocidental por essência, de um Oriente mais ou menos real, e de entreter assim a fantasia orientalista do Ocidente, mas também da partilha efectiva do pensamento segundo as línguas na sua história, e da passagem de pensamento que existe sempre de uma língua a outra, portanto, também, das próprias línguas, europeias e asiáticas, das suas migrações e da sua tradução (historicamente da Índia à China, da China ao Japão, da Europa ao Japão e o contrário).

 

O programa Les Orients désorientés é doravante parte integrante do programa « O Oriente no PHIER ». A “desorientação” de que aqui é questão não é apenas o esfacelamento de uma representação europeia do Leste, ela é talvez também o esfacelamento do Oriente a seus próprios olhos diante do devir mundial do Ocidental. Há ainda um Oriente, ou bem o Ocidente se terá estendido à terra inteira, ao próprio mundo? É a esta pergunta que o programa procura trazer respostas. O grupo “Cidadanias, impérios, identidades, políticas” do EHIC (cf. ehic.univ-bpclermont.fr) desenvolvido entre Limoges e Clermont-Ferrand oferece a sua experiência no tratamento de questões de civilização e numa perspectiva de geocrítica fornecida pelas pesquisas iniciadas por Bertrand Westphal (EHIC, Limoges).

 

Numerosos colaboradores em várias universidades francesas e estrangeiras (ver Parceiros) trouxeram e trarão pontualmente ou em contínuo a sua experiência e a sua própria abordagem metodológica.

 

Esta rede transdiciplinar reunindo filosofia e literatura comparadas, antropologias da relação, estudos “transareais”, literatura das viagens etc. é chamado a alargar-se cada vez mais rapidamente. A diversidade das abordagens, das disciplinas e das perspectivas de investigação seria incapacitante se a certeza partilhada da pertinência do questionamento e da sua urgência não constituísse uma sólida base de consensos (cf. sobre o enquadramento desta questão J.P. Dubost, « Orient désorienté », ds. Archivio anthropologico mediterraneo, Anno XVII (2014), n° 12 (2), p. 15).

 

Trata-se, portanto, menos de trabalhar sobre a base de uma abordagem teórica ou metodológica pré-definida que de fazer aparecer campos de reflexão e de problematização no coração das questões levantadas mais acima por confrontação de perspectivas e abordagens. A ideia reguladora desta prática de trabalho é um princípio dialógico a partir do qual os pontos de dissenso ou de consenso, os momentos de translação ou momentos de diferendo podem ser obtidos.

 

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *